Acabada de acordar, no ritual diário de ver as notícias enquanto mastigo os cereais, leio no rodapé que Michael Jackson morreu de possível ataque cardíaco. Mas como, se depois de anos de afastamento, ele estava a preparar novo álbum e ainda este ano ia começar uma tour mundial?

O Thriller repousa ao pé da secretária e rapidamente me lembro de estar em frente ao espelho do quarto da minha mãe, com um fato de treino acetinado e calçando apenas umas meias brancas, a imitar o moonwalk (nunca tive grande jeito para coreografias, desde miúda que sou bastante descoordenada nos movimentos). Mas nem assim fiquei imune, a minha infância foi nos anos 80, início dos 90 – e antes de cantar a Smells Like Teen Spirit, cantava a Black or White.

Na fase adolescente, o meu sentimento pelo Michael Jackson mudou – as atribulações da sua vida pessoal destruíram o mito na minha cabeça. O João Lopes, no Sound& Vision, afirma que a 25 de Junho de 2009 acabou uma era – a era MTV, que nasceu nos tais anos 80. É bem possível.

É claro para mim que nos próximos dias vou ouvir e ver os seus vídeos até à exaustão – é a minha maneira de fazer o luto. Porque a cultura pop é isto, as estrelas fazem parte da nossa vida, de uma maneira ou de outra. E perder uma referência nunca é simples.

Anúncios